É hora de parar de se importar com o que as pessoas pensam!

confidence 2

Somos todos culpados! Todos os dias, a partir do momento que acordamos, vivemos nossa vida a importar com o que os outros pensam de nós.
Nós aceitamos o “status quo” por aquilo que ele  é, porque pensamos que todo mundo em torno a nós fazem assim.  Da cabeça a pontas dos pés conduzimos a nossa vida para agradar os outros e não por aquilo que acreditamos. Eventualmente as nossas ações, aparência e vida se tornam moldados pela forma como nós pensamos que outras pessoas nos percebem.
Como devo me vestir? O que meus colegas vão dizer se eu falar sem pensar? Aquelas pessoas  estão falando de  mim nas minhas costas? Se eu assumir  este trabalho, o que os meus amigos e a minha família vão pensar?
Só de escrever esse parágrafo já me deu dor de cabeça. É cansativo. É terrível. Isso tem que parar.
Viver uma vida que segue os ideais e noções de vida que as outras pessoas acham que deve ser, é uma péssima maneira de viver. Faz com que você se torne um espectador covarde, que espera para que as outras pessoas ajam primeiro. Faz com que você se torne um seguidor. O pior de tudo, isto faz você se tornar alguém que não toma nenhuma posição em nada.
Hoje é o último dia que vivemos uma vida ditada pelos outros. Hoje, nós vamos ir ao fundo do poço. Hoje é o dia em que vamos parar com isso.
Ninguém realmente se importa
Acredite ou não, não somos tão especiais. Podemos passar o dia pensando sobre como as outras pessoas estão nos julgando. Mas a verdade é — as pessoas estão pensando a mesma coisa. Ninguém na sociedade de hoje “smartphone-enlouquecido” tem  tempo para pensar mais do que um breve segundo sobre nós. O fato da questão é, quando temos tempo para esclarecer nossos pensamentos, nós estamos muito ocupados pensando em nós mesmos e nos nossos próprios defeitos, não nos defeitos dos outros.
Um estudo feito pela National Science Foundation alega que as pessoas têm, em média, mais 50.000 pensamentos por dia. Isto significa que mesmo se alguém pensou em nós dez vezes em um dia, é apenas 0,02% de seus pensamentos diários em geral. É uma verdade triste, mas simples, as pessoas em média filtram seu mundo através de seu ego, significa que elas acham que a maioria das coisas relacionam com “me” ou “meu”. Isto significa que, a menos que você tenha feito algo que afetou diretamente a outra pessoa ou sua vida, ela não vai gastar muito tempo pensando em você.
Sempre gostei de assistir os artistas de rua tentando extorquir algumas moedinhas nas estações do metro da cidade de Nova Iorque . Os passantes simplesmente não dão a mínima. Mas a observação mais interessante que eu fiz é como reagem os espectadores. Ao invés de assistirem os artistas reais, a maioria das pessoas estão olhando em volta para ver como as outras pessoas estão reagindo. Se as pessoas estavam rindo, começavam a rir também. Mas se as pessoas não estavam prestando atenção, eles também faziam o mesmo.
Até mesmo quando fornecido pela oportunidade de julgar alguém, as pessoas ainda estão pensando em como os outros poderiam percebê-las. Depois de entender como funciona a nossa mente, estamos fazendo um grande passo em direção a liberdade emocional.
Não é possível satisfazer todo mundo 
É impossível fazer jus às expectativas de todos. Sempre haverá pessoas, não importa o que dizemos ou como as tratamos, elas sempre irão nos julgar. Se você esta na academia, no trabalho, dirigindo,  online no facebook, até mesmo neste momento enquanto você lê esta frase, isto está acontecendo.
Você nunca será capaz de impedir que as pessoas o julgue, mas você  pode mudar o modo como isto te afeta.
Pense na pior coisa que pode acontecer quanto alguém esta julgando você ou julgando o que você esta fazendo. Eu garanto que as chances são ….. nenhuma,  acontecera absolutamente nada. Ninguém vai deixar a  vida ocupada com seus próprios desafios e preocupações  para confrontar-nos, ou até mesmo reagir sobre esse assunto. Porque como eu mencionei antes, ninguém realmente se importa.
O que vai acontecer é:  as pessoas irão  respeita-lo  por você ter conquistado o teu espaço.  Elas podem discordar de você, mas vão te respeitar quando você começar  a mostrar o que você acredita — causas, opiniões, qualquer coisa. Lembre que as pessoas sempre irão discordar de você, então por que não expressar como você realmente sente? Eu aprendi que é melhor ser amado por algumas pessoas que se preocupam,  do que desejar ser amado por todos. Estas pessoas são a família, os amigos, seu esposo ou esposa — as pessoas que amam você por quem você é, as pessoas que estarão lá, para você, durante seus piores momentos. Concentre-se nas pessoas que te consideram. Elas são as únicas que realmente se importam.
Você colhe o que você semea
Se preocupar muito com o que os outros pensam pode se tornar uma profecia auto-realizadora, porque o modo em que pensamos começa a se tornar a maneira como nos comportamos.
Esta atitude nos transforma em indivíduos  que fazem de tudo para agradar e são excessivamente conciliadores para os outros,   pensam que isto vai impedir de ser julgado. Na verdade, isto é o oposto. A maioria das pessoas não gostam desta atitude bajuladora. O comportamento que temos na tentativa de agradar os outros, pode realmente causar o efeito oposto. Isto significa que se você é um  “força barra”, você vai atrair outros “força barra”  na tua vida. Criando um circulo vicioso.
Em media nós frequentamos cinco  pessoas no nosso circulo pessoal estreito. Quando começamos a atrair e associar com as  pessoas que compartilham as mesmas fraquezas — estamos presos. Vamos parar de crescer, porque não há ninguém que nos desafie. Começamos  a pensar que esta é a norma e continuamos sempre dentro na nossa zona de conforto. Este  não é o lugar que você quer ficar.
Agora vamos falar sobre a cura!
Aqui apresento cinco maneiras como parar de levar a serio o que a pessoas pensam de você: Recupere a sua liberdade!
1. Você precisa saber o que é importante para você na tua vida, o que você realmente valoriza e o que você está realmente procurando. Qual é a tua voz?
Uma vez que você sabe quem você realmente é, e o que importa para você, o que os outros pensam de você torna-se significativamente menos importante. Quando você sabe os seus valores, você tem algo para  acreditar. Você vai parar de dizer sim a tudo. Em vez disso, você vai aprender a dizer não, por exemplo, quando amigos fazem pressão para  freqüentar bares, ou quando uma  oportunidade tentadora  distrai você  do seu objetivo. Quando você tem seus valores alinhados você tem uma direção para seguir.
2. Coloque a sua cara la fora,  agora que você sabe quais são seus valores, é hora de se expor. Isso pode ser feito de várias maneiras. Aqui estão algumas sugestões:
Crie um blog
Fale em publico
Flerte com alguém
Convide alguém para sair
Tenha em mente que quando você está fazendo  uma dessas atividades, você tem que falar o que você  pensa. Seja honesto consigo mesmo e com o que você compartilha, porque o mundo não precisa de mais  pessoas sem opinião própria, de meros  seguidores!
3. Circundate de rosas, ama, bebe e cala. (Fernando Pessoa) – Circunda-se  de pessoas que são auto-confiantes e viva uma vida sem comprometer o núcleo dos seus valores. Estas pessoas o influenciarão rapidamente.
4. Crie uma “Lista de crescimento” –  Uma lista de crescimento é composta de todas as coisas que te deixam desconfortável. São os medos, inseguranças — qualquer coisa que lhe causa nervosismo. Comece a escrever todas as coisas que fazem você se sentir desconfortável. Então execute uma por uma, repita novamente a lista… depois repita novamente a lista até chegar ao ponto que não lhe causa mais desconforto.
Por exemplo: A minha primeira tarefa de crescimento consistia em tomar uma ducha fria (Libro The Flinch – Julien Smith). Eu deixei a água tão fria quanto poderia ficar, eu podia sentir meu corpo tremer antes mesmo de  entrar no chuveiro. Esta foi a voz interna na minha cabeça falando. Foi difícil no começo. Mas, surpreendentemente, ficou mais fácil na segunda vez. Então ainda mais fácil na terceira vez. Antes que eu percebesse, meu corpo parou de tremer — já não estava mais desconfortável. Eu havia conquistado o meu medo. Este exercício faz maravilhas.  Porem você pode ler todos os livros do mundo sobre como ser confiante ou superar seus medos, mas se você não agir,  será somente alguém que leu como andar de bicicleta sem nunca ter experimento dar uma pedalada.
5. Viaje  sozinho –  se você está procurando por uma  experiência de transformação completa que combina todos os pontos acima, você deve viajar sozinho. Viajando com outras pessoas pode ser divertido, mas você não vai ter a oportunidade de realmente sair da tua zona de conforto. Você vai ser exposto a diferentes culturas e  normas sociais  que você nem sabia que existiam e finalmente, será forçado a estourar sua pequena bolha de sabão em que você vive.
Leve o mínimo possível, tudo deve caber em uma mochila. Planeje nada, exceto um bilhete de ida para seu destino — descubra  o resto quando  você estiver lá. Acredite, você vai ficar bem. No começo não vai  ser fácil, mas não desanime. Estar confortável com o desconfortável crescerá com o tempo. Eu continuo a lutar com isso todos os dias, como muitos outros. Mas você precisa começar hoje.
O mundo já está cheio de pessoas que obedecem regras e opinões ditadas por outras pessoas. Mas as pessoas que não se importam com o que os outros pensam são aquelas que mudam o mundo. Comece a viver a vida da maneira que você deseja,
não tenha medo, seja como aquela criança que você era, sem medo,  defenda sempre a tua verdade. Redescubra a sua voz!

Renato Moreira  Coach executivo – Ajudo as  pessoas a encontrar clareza e ganhar confiança para transformar  suas vidas e levarem os seus negócios para um alto nível. Sou palestrante em cursos de desenvolvimento pessoal e PNL, atualmente vivo entre a Holanda e o Brasil.

Um banco chamado TEMPO

30166479-many-clocks-ticking-and-counting-down-the-seconds-minutes-and-hours-as-time-marches-on-and-moves-for

Imagine uma conta bancaria em que nela é depositado a cada manhã o valor de 86.400,00. Nesta conta não é possível manter o saldo  para o dia seguinte. Ao final de cada dia é apagado o saldo que você não gastou.
O que você faria? Retiraria cada centavo? claro!
Cada um de nós tem um banco assim. O nome dele é tempo. A cada manhã, temos o credito de 86.400 segundos,  e a  cada noite escrevemos as perdas sobre o que não conseguimos investir em uma boa causa. Nenhum saldo é possível ser  carregado para o dia seguinte, não é permitido fazer retiradas ou ficar em debito.  A cada dia é aberto uma nova conta para você. A cada noite é queimado o saldo do dia. Se você não conseguiu gastar o credito o prejuízo é seu. Não existe nenhuma retirada sobre o credito de  amanha.  Você tem que viver o presente no credito do dia, por isso  invista para receber de volta saúde, felicidade e sucesso.
O relógio esta andando, faça o melhor de hoje.
Uma dica: “O melhor presente que você pode dar a uma pessoa é o seu tempo,  porque quando você presenteia alguém com ele, você esta dando uma parte de você.”

Renato Moreira  Coach executivo – Ajudo os meus clientes a encontrarem clareza e ganharem confiança para transformarem  suas vidas e levar os seus negócios para um alto nível. Sou palestrante em cursos de desenvolvimento pessoal e PNL, atualmente vivo entre a Holanda e o Brasil.

O medo

O nosso medo mais profundo não é o de sermos inadequados. O nosso medo mais profundo é o medo de que somos poderosos alem de qualquer medida. É a nossa luz, não a nossa escuridão que mais assusta. Nós nos perguntamos: Quem sou eu para ser brilhante, lindo talentoso, fabuloso? Na verdade, quem é você para não ser? Você é um filho do universo. Seu papel pequeno não serve ao mundo. Não há iluminação em se encolher para que as outras pessoas não se sintam inseguros ao seu redor. Somos todos feitos para brilhar, como as crianças. Nascemos para manifestar a gloria da vida que esta dentro de nós.
Não é apenas em alguns de nós; esta em todos nós. E conforme deixamos nossa própria luz brilhar, inconscientemente damos às outras pessoas permissão para fazer o mesmo. Como libertamos o nosso medo a nossa presença automaticamente liberta os outros. (Marianne Williamson)
 A maioria das coisas que fazemos nós aprendemos, assim como aprendemos a andar ou apertar as mãos quando cumprimentamos. Este processo de aprendizagem é particularmente útil para criar hábitos, desenvolvendo habilidades que operam em modo inconsciente,  liberando a nossa mente consciente para se ocupar outras atividades, considere que a  nossa mente consciente é capaz de processar no máximo sete segmentos de informações concomitante (+ 2 – 2 blocos de pensamentos) por isso imagine ter que aprender a amarrar os sapatos todas a manhãs.
Assim como os hábitos os medos também são aprendidos, acredita-se que nascemos apenas  com dois medos naturais, medo de ruídos altos e o medo de cair, estes dois medos são incorporados no DNA humano e tornaram-se um mecanismo de sobrevivência, que é passado para as novas gerações. O único objetivo destes medos inatos é manter os seres humanos vivos e motivados para evitar perigos potenciais.
Para viver uma vida plena é essencial  desenvolver a habilidade de identificar os medos que são úteis e os que são menos úteis (como medo de andar de elevador ou de avião). Uma vez identificados podemos reprogramar a nossa vida. Considere que acordamos todas as manha e vivemos um roteiro de vida que nós mesmos escrevemos baseado  nas nossas experiências, entre tentativas que os resultados foram medidos em fracasso ou sucesso, ali os medos foram incutidos e depositados no fundo da nossa mente inconsciente.
Com um processo de autodescoberta podemos descobrir onde colocamos nossos limites arbitrários e passamos ao processo de autoconsciência descobrindo a nossa própria voz, quem sou eu? a onde eu estou? a onde eu quero ir ? quais são as minhas forcas e quais são as minhas limitações? os meus medos?
Nos não queremos eliminar os medos completamente mas sim ter o medo certo no momento adequado, criar novos hábitos novos caminhos neurais que se tornam forte e substituam os medos menos úteis.
“A maior prisão das pessoas é viver no medo do que as outras pessoas pensam delas”

Renato Moreira  Coach Executivo